Mostra promove debates em Piracicaba

De 01 a 29 de outubro, a cidade de Piracicaba recebe a 2ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental. A abertura oficial acontece na Esalq no dia 1º de outubro, a partir das 20h, quando será exibido o filme Amargas Sementes, seguido de debate. Produção dos EUA e da Índia de 2011, o filme levanta questões críticas sobre o custo humano da agricultura geneticamente modificada e da apropriação de terras por grandes corporações a partir de narrativa baseada em depoimentos emocionantes de personagens, como o agricultor de algodão Ramkrishna, que luta para manter sua terra no epicentro de uma região tomada por uma crise de suicídios entre fazendeiros.  Ou Manjusha, determinada a superar as tradições da vila de Ramkrishna e se tornar jornalista investigando a questão. A cada 30 minutos um fazendeiro se mata por desespero na Índia por não poder mais suprir as necessidades de sua família.

Cena de "Amargas sementes"

Cena de “Amargas sementes”

A sessão será seguida de um debate com a participação dos professores:

 Paulo Yoshio Kageyama, do Departamento de Ciências Florestais (colaborador do Ministério do Meio Ambiente e professor titular da Universidade de São Paulo com experiência na área de Genética e Conservação – ênfase em Genética de Espécies Arbóreas ).

Flávio Bertin Gandara Mendes, do Departamento de Ciências Florestais (professor Doutor da Universidade de São Paulo com experiência na área de Ecologia e Agroecologia, atuando principalmente nos seguintes temas: conservação genética, restauração ecológica e sistemas agroflorestais).

A mediação será feita pelo jornalista Dal Marcondes, diretor do portal Envolverde, colunista da Revista Carta Capital e aluno do Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental da USP.

No dia 07/10 será exibido no mesmo local o filme A crise global da água, produção norte americana de 2011 que traz a ativista Erin Brockovich e especialistas como Peter Gleick, Alex Prud’homme, Jay Famiglietti e Robert Glennon debatendo porque a crise mundial da água será a principal questão que o planeta precisará enfrentar neste século. O filme esclarece o papel fundamental que este recurso representa em nossas vidas, expõe os defeitos do atual sistema de abastecimento e retrata comunidades que já lutam com seus efeitos colaterais.

Cena de "A crise global da água"

Cena de “A crise global da água”

Participam do debate:

Plinio Barbosa de Camargo (Mestre e Doutor em Ciências – Energia Nuclear na Agricultura -, atualmente é professor doutor da Universidade de São Paulo e atua nas áreas de: Ecologia de Ecossistema, Ecologia Aplicada, Funcionamento de Ecossistemas Tropicais, Solos Tropicais Naturais e Alterados, Ciclos Biogeoquímicos, Bacias Hidrográficas e Aplicações de Isótopos Estáveis e Radioativos em Estudos Ambientais e de Agroecossistemas).

Marcos Vinícius Folegatti (Engenheiro agrônomo, mestre em irrigação e drenagem e doutor em agronomia, solos e nutrição de plantas pela Esalq. Fez pós doutoramento na University of Utah e na University of California. Possui experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Engenharia de Água e Solo, atuando nas áreas de irrigação, evapotranspiração, manejo da água em agrossistemas e gestão da água de bacias hidrográficas em comitês de bacias. Foi coordenador do Programa de Pós Graduação em Irrigação e Drenagem e da Câmara Técnica de Uso e Conservação da Água no Meio Rural do Comitê de Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Atualmente, no âmbito do Comitê, é membro da Câmara Técnica Rural;  da Câmara Técnica de Plano de Bacias; do Grupo de Trabalho Cobrança e do Grupo de Trabalho de Pagamentos por Serviços Ambientais. Chefe do Departamento do Engenharia de Biossistemas da Esalq, Coordenador do Projeto de Intercâmbio Brasil – França e Diretor do Polo de Ensino à Distância Semipresencial de Jaú USP-Univesp).

No dia 21/10 os debates continuam, desta vez na Unimep, que exibe o filme “Petróleo: o grande vício”, produção franco americana de 2011 que aborda os bastidores do pior vazamento de petróleo da história, na plataforma Deepwater Horizon, em 2010. De acordo com a imprensa mundial, a história terminou quando o poço foi tamponado, mas o filme mostra que foi exatamente aí que a verdadeira história  começou. Ao expor as causas do vazamento de óleo e o que realmente aconteceu depois que as câmeras de TV deixaram a região, os cineastas Josh e Rebecca Tickell revelam uma vasta rede de corrupção.

O ator Peter Fonda em cena de "Petróleo: o grande vício"

O ator Peter Fonda em cena de “Petróleo: o grande vício”

Participam do debate os professores :

Maria Guiomar Carneiro Tommasiello (Professora titular da Universidade Metodista de Piracicaba onde atua como pesquisadora orientadora no Programa de Pós-Graduação em Educação e como docente de disciplinas da área de física em cursos de graduação. Coordenou vários projetos de pesquisa financiados por agências de fomento e tem trabalhos publicados em periódicos indexados, livros e capítulos de livros. Até o momento orientou 21 dissertações de mestrado e uma tese de doutorado. É coordenadora do Núcleo de Educação em Ciências/FACEN da UNIMEP desde 1991, espaço de ensino, pesquisa e extensão dedicado a fazer a interlocução entre professores da rede pública e a universidade).

Fernando José Biscalchin  (Professor da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), tem experiência na área de Artes, com ênfase em Roteiro, Produção e Direção para Cinema, TV e Vídeo. Já produziu dezenas de filmes publicitários, também atuou como produtor em vídeos institucionais, motivacionais, vídeo-clipes musicais, documentários e teatro.É diretor da produtora de cinema e vídeo Sloth Filmes, atuando como diretor e produtor em vários trabalhos e projetos em andamento).

No dia 29/10, o Sesc Piracicaba exibe “Trashed: para onde vai o nosso lixo?”, produção do Reino Unido que traz o astro Jeremy Irons em uma conversa global sobre o lixo, da Islândia à Indonésia, com cientistas, políticos e pessoas  comuns, cuja saúde e meios de subsistência foram fundamentalmente afetados pela poluição de resíduos.  Na sequência, participa do debate:

Trashed

Jeremy Irons no filme “Trashed”

Rizpah Bensen (Graduada em Psicologia, mestre em Saúde Pública e doutora em Ciências – Saúde Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da USP. Realiza o pós doutorado no Instituto de Energia e Ambiente – IEE, no Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental – PROCAM da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, com ênfase em consumo sustentável e Resíduos Sólidos, atuando principalmente nos seguintes temas: resíduos sólidos, responsabilidade socioambiental, cooperativas de catadores, indicadores de sustentabilidade, gestão compartilhada de resíduos sólidos e coleta seletiva).

Adriana Maria Nolasco  (Graduada em Economia Doméstica pela Universidade de São Paulo, mestre em Arquitetura e Urbanismo e doutora em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo.  Atualmente é professora doutora da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Gerenciamento de Resíduos Florestais, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de resíduos florestais e valorização de resíduo).

Criada em 2012 com o objetivo de chamar a atenção para questões de meio ambiente, sustentabilidade, cidadania, governança, participação e políticas públicas, a Mostra oferece oportunidade de conferir filmes que reúnem qualidade cinematográfica e análise de questões ambientais, facilitando o acesso a discussões que muitas vezes fazem parte do cotidiano das pessoas sem que elas tenham oportunidade de refletir sobre isso.

2a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental – Itinerância é uma realização da ONG Ecofalante e do Sesc, e conta com apresentação da Mondelēz e patrocínio do Instituto Votorantim e White Martins. O projeto é realizado com apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura, Programa de Ação Cultural 2012.

Advertisements