Panorama Histórico dedicado ao cineasta japonês Kaneto Shindo

por Francisco César Filho*

 

O diretor e roteirista japonês Kaneto Shindo (1912-2012), é destaque da terceira edição da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, que acontece de 20 a 27 de março em diversas salas de São Paulo, com entrada franca.

O evento exibe seis de suas obras mais representativas, todas projetadas em cópias 35mm, trazidas especialmente do Japão. O destaque é o clássico “Filhos de Hiroshima” (1952), misto de documentário e ficção sobre uma professora que retorna a Hiroshima após o bombardeio atômico. O filme foi selecionado para o Festival de Cannes e vencedor do grande prêmio no Festival de Moscou.

Cena de "Onibaba - A Mulher Demônio"

Cena de “Onibaba – A Mulher Demônio”

Estão presentes também os cultuados “A Ilha Nua” (1960) e “Onibaba – A Mulher Demônio” (1964), sucesso no circuito alternativo paulistano nos anos 1960 e 1970. O primeiro, de cunho autobiográfico, sobre uma família residente em uma pequena ilha, é construído sem diálogos, mesclando música com silêncios. Já “Onibaba – A Mulher Demônio” ganhou notoriedade por sua carga erótica.

Outros filmes da retrospectiva são “O Homem” (1962), selecionado para o Festival de Veneza, “Dragão Felizardo nº 5” (1959) e “A Mãe” (1963).

Responsável pela direção de 49 filmes e por 231 roteiros, Shindo foi condecorado com a Ordem Imperial da Cultura do Japão em 2002. Segundo o crítico Sérgio Alpendre, em texto publicado no catálogo da mostra, Shindo é o que melhor representa a ponte entre o cinema clássico e a Nouvelle Vague japonesa – movimento que revelou Nagisa Oshima e Shohei Imamura, entre outros.

Os filmes serão exibidos no Museu da Imagem e do Som (MIS) e no Centro Cultural São Paulo. A programação completa está disponível no site da Mostra.

Dados sobre os filmes

Filhos de Hiroshima (Children of Hiroshima / Gembaku no Ko)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1952 | 97’
Produção: Kôzaburô Yoshimura | Roteiro: Kaneto Shindo | Fotografia: Takeo Itô | Edição: Zenju Imaizumi | Elenco: Nobuko Otowa, Osamu Takizawa & Miwa Saito
Hiroshima pós-guerra: Já se passaram quatro anos desde a última vez que ela visitou sua cidade natal. Takako enfrenta os efeitos da bomba atômica quando viaja ao redor da cidade para chamar velhos amigos.

O Homem (Human / Ningen)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1962 | 117’
Produção: Setsuo Noto | Roteiro: Kaneto Shindo | Fotografia: Kiyomi Kuroda | Elenco: Taiji Tonoyama, Nobuko Otowa, Kei Satô e Kei Yamamoto
O barco Netuno fica à deriva após uma violenta tempestade. O desespero dos quatro tripulantes aumenta quando a comida e a água terminam.
Festival de Veneza – Itália

Dragão Felizardo nº 5 (Lucky Dragon No 5 / Daigo Fukuryu Maru)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1959 | 115’
Produção: Hisao Itoya, Toshio Itoya, Setsuo Noto & Tengo Yamada | Roteiro: Kaneto Shindo & Yasutarô Yagi | Fotografia: Eikichi Uematsu | Elenco: Jukichi Uno e Nobuko Otowa
Em 1954, logo após os testes nucleares dos EUA no Atol de Bikini, a tripulação de um navio pesqueiro sofre com a contaminação radioativa.

A Mãe (Mother / Haha)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1963 | 100’
Produção: Hisao Itoya, Toshio Itoya, Eisaku Matsuura, Tamotsu Minato e Setsuo Noto | Roteiro: Kaneto Shindo | Fotografia: Kiyomi Kuroda | Elenco: Nobuko Otowa & Haruko Sugimura
Tamiko é mãe solteira. Seu filho está ficando cego. O diagnóstico é tumor cerebral. Não há dinheiro para a cirurgia. Ela pede auxílio à mãe, Yoshie. A ajuda financeira é negada, mas Yoshie arranja um casamento para Tamiko, a fim de que o novo marido pague pela urgente cirurgia.

Onibaba – A Mulher Demônio (Onibaba / Onibaba)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1964 | 103’
Produção: Hisao Itoya, Tamotsu Minato e Setsuo Noto | Roteiro: Kaneto Shindo | Fotografia: Kiyomi Kuroda | Edição: Toshio Enoki | Elenco: Nobuko Otowa, Jitsuko Yoshimura
Século 14, Japão. Esperando o filho que está na guerra, uma mulher e sua nora sobrevivem em uma aldeia através de tocaias que armam para alguns soldados, matando-os e vendendo seus pertences. Com a morte do filho, a mãe põe em prática um plano diabólico para manter a companhia de sua nora.

A Ilha Nua (The Naked Island / Hadaka no Shima)
Direção: Kaneto Shindo | Japão | 1960 | 94’
Produção: Eisaku Matsuura & Kaneto Shindô | Roteiro: Kaneto Shindo | Fotografia: Kiyomi Kuroda | Edição: Toshio Enoki | Elenco: Nobuko Otowa, Taiji Tonoyama
O filme lida com a vida insuportavelmente difícil de uma família de quatro pessoas, os únicos habitantes de uma pequena ilha japonesa no arquipélago Setonaikai. Várias vezes por dia eles remam até a ilha vizinha para buscar água para os seus campos miseráveis.

 

* Francisco Cesar Filho é Curador da 3ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental. Cineasta e Curador, dirigiu “Augustas” e “Futuro do Pretérito: Tropicalismo Now!”  (codirigido com Ninho Moraes). É diretor, com Jurandir Müller, do Festival  de Cinema Latino-Americano de São Paulo.

Advertisements