Energia nuclear em debate

O uso da energia nuclear gera controvérsias em todo o mundo. Há correntes que defendam que ela é a melhor forma de minimizar as emissões de carbono, e outras que a abominam. O resíduo gerado pela energia nuclear e a necessidade de garantir uma armazenamento absolutamente seguro, o que até hoje não foi possível, são dois dos argumentos contrários ao seu uso. O terceiro são os acidentes e vazamentos que podem acontecer e afetar a população, como já vimos em períodos recentes de nossa história.

Cena do filme "Metamorphosen"

Cena do filme “Metamorphosen”

Produção alemã de 2013, o filme “Metamorphosen” conta a história de pessoas que moram em um dos lugares mais contaminados por radiação do planeta – região Ural do sul da Rússia. Fato desconhecido pelo público, a região foi irradiada repetidamente por diferentes acidentes da instalação nuclear Mayak, a primeira a produzir material físsil para armas nucleares da União Soviética, ainda hoje ativa. O filme capta um perigo que não é perceptível ou visível, assim como a força das pessoas que têm que lidar com ele.

O tema será debatido no sábado, 22 de março, a partir das 19h no Cine Livraria Cultura. O filme de Sebastian Mez, será o motor da discussão, que contará também com a presença de Joaquim Carvalho e mediação de Fábio Feldmann.

Conheça os debatedores:

Sebastian Mez

Nasceu em Essen, na Alemanha. Em 2007 fez seu primeiro filme média “Do the Right Thing”, sobre a pena de morte no Texas. Seu primeiro curta, “Clean Up”, participou de mais de 40 festivais internacionais e ganhou diversos prêmios. Seu filme “Ein Brief aus Deutschland”, sobre escravidão moderna e a prostituição na Europa, ganhou a competição internacional de média metragem do Vision du Réel em Nyon, 2011. Sebatian Mez vive e trabalha em Berlim.

Joaquim Carvalho

Mestre em engenharia nuclear pela PUC/Rio e doutor em Energia pelo Instituto de Energia e Eletrotécnica da Universidade de São Paulo. Foi diretor industrial da Nuclen (atual Eletronuclear); engenheiro da CESP, pesquisador associado ao IEE/USP e presidiu a Comissão Consultiva para Rejeitos Radiativas, que foi criada pela Presidência da República com a finalidade específica de avaliar o acidente com Césio137 ocorrido na cidade de Goiânia em 1987, e propor uma solução para o descarte de rejeitos de baixa e média atividade.

Fabio Feldmann

Consultor, administrador de empresas e advogado. Foi eleito deputado federal por três mandatos consecutivos (1986 – 1998), atuou como Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo entre 1995 e 1998 e foi autor de parte da legislação ambiental brasileira. Atualmente dirige seu próprio escritório de consultoria, que trabalha fundamentalmente com questões relacionadas à sustentabilidade e ao desenvolvimento sustentável.

Advertisements