“Um Dia, O Nilo” vem da Cinemateca Francesa para a Mostra

Os filmes do Panorama Histórico da 4ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental são grandes rios, como Tennessee, Tietê e Amazonas, vistos por grandes diretores. Um deles é Um Dia, o Nilo (Egito / URSS, 1968, 109′), raríssimo filme dirigido por Youssef Chahine, que será exibido ao ar livre, às 20h30 do dia 21/03 (sábado), na Cinemateca Brasileira, e no dia 29/03 (domingo), numa das salas da Cinemateca.
Chahine (1926 – 2008) é dos maiores cineastas da história do cinema egípcio, e um dos poucos que conseguiu ser premiado nos três maiores festivais de cinema do mundo: Cannes, Berlim e Veneza. Um Dia, o Nilo nunca foi lançado em DVD, não possui cópia digital e a única em película existente fica na Cinemateca Francesa, onde foi restaurado.
O filme é a única coprodução existente entre Egito e URSS, e aborda a construção da represa de Assuan. Uma vez finalizado, foi censurado, teve seus negativos originais destruídos e Chahine foi obrigado a fazer outro filme, com roteiro e atores diferentes. O nova versão foi lançada em 1972, mas Chahine a renega. Ao mesmo tempo, o cineasta conseguiu salvar uma única cópia da versão original lançada nos cinemas na época. Essa é entregue no início dos anos 1970 à Henri Langlois (então diretor da Cinemateca Francesa), e daí vem a cópia que  será exibida na Mostra Ecofalante.
É uma cópia falada em árabe e russo, sendo que as partes russas estão dubladas em árabe por uma única voz feminina. A dublagem é uma preciosidade. Além da beleza pela voz e pelo texto, ela guarda a memória do lançamento do filme nos cinemas e é também a memória de que essa cópia foi feita para ser exibida para um determinado público. Não à toa, a Cinemateca Francesa, mesmo após restaurar o filme nos anos 1990, escolheu preservar a dublagem original – o filme não existe sem essa dublagem.
A Cinemateca Francesa fez uma página especial sobre a restauração do filme, onde estão disponíveis mais informações: www.cinematheque.fr
64366-1
Advertisements