Circuito universitário reuniu 4.500 estudantes

Durante o mês de Março a Ecofalante promoveu sessões de filmes e debates sobre meio ambiente em instituições de ensino superior de São Paulo. Participaram a Escola de Artes, Ciência e Humanidades (EACH) da USP, Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Faculdade Cásper Líbero, Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, Senac São Paulo, Universidade Presbiteriana Mackenzie e Universidade São Judas Tadeu, reunindo 4.521 pessoas.

A importância de pautar a reflexão sobre temas ambientais, transdisciplinares – um dos objetivos da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental – é ainda maior para o público universitário, futuros profissionais e tomadores de decisão em diferentes áreas profissionais.

“A parceira com a Mostra Ecofalante é um privilégio, uma desejada confluência. Temos uma identificação natural com o projeto e a certeza de que as sessões na Cásper Líbero são potencialmente transformadoras. Que os nossos futuros realizadores multipliquem a mensagem ecológica e deem em breve a sua própria contribuição a esse campo tão importante e desafiador que é o audiovisual compromissado com a causa socioambiental”, relata Roberto D’Ugo Junior, Coordenador de Ensino Rádio, TV e Internet da Cásper Líbero.

As sessões realizadas na USP foram também abertas ao público. Na EACH, os debates com Luiz Beduschi, Eduardo Jorge e Eduardo de Lima Caldas e  lotaram a sala. “A oportunidade foi ímpar, tanto em termos dos filmes “Crise Global das Águas” e “Escala Humana”, quanto em termos do debate, seja pelo brilho dos debatedores, seja pelas questões oportunas e bem elaboradas pelos participantes. Tomara que no próximo ano participemos também desse Circuito. E que neste ano pensemos em atividades de extensão dessa natureza”, afirma Caldas, Coordenador de Extensão da EACH-USP Leste.

Sessão de "A Escala Humana" na Each - USP Leste, no dia 12 de Março.

Sessão de “A Escala Humana” na Each – USP Leste, no dia 12 de Março.

Algumas instituições já haviam participado do Circuito Universitário de 2014, como Mackenzie, São Judas e Cásper – na última, a Mostra inspirou os estudantes a produzirem programas jornalísticos e audiovisuais com temática ambiental. “É um tema interessante porque junta o urbano com a ‘selva’. É universal, não fica preso só à política, esquerda e direita, mas se abre para um debate científico” analisa Ninho Moraes, professor de Produção, Administração e Planejamento em Televisão na faculdade.

Para ele, “a exibição do filme Amazônia Desconhecida para uma plateia lotada de estudantes foi extremamente inspiradora. Atenção, tensão, emoção, torcida, um pouco de aventura: a receita perfeita para entreter e também ilustrar e educar os alunos da Faculdade Cásper Líbero. Melhor ainda com a presença de um dos diretores do filme, Eduardo Rajabally, que trouxe serenidade e boas explanações sobre o processo e a realização da obra”, relata.

Debates e exibição de filmes na Cásper Líbero

Debates e exibição de filmes na Cásper Líbero

No Senac, as sessões foram uma espécie de ‘aula inaugural’ para estudantes, professores e funcionários do campus, buscando contribuir para a reflexão sobre o colapso hídrico enfrentado por São Paulo e por toda a região sudeste do Brasil. “A 4ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental se consolida como a maior mostra temática de meio ambiente do Brasil, ao mesmo tempo em que o sudeste do país enfrenta sua maior crise ambiental. A mostra já vem antecipando desde sua primeira edição, por meio dos filmes e de debates, esse colapso que testemunhamos”, afirma o diretor da Mostra, Chico Guariba.

O uso de filmes para levantar debates foi elogiado pelos acadêmicos envolvidos. Eduardo Mazzaferro Ehlers, Diretor de Graduação do Centro Universitário Senac Santo Amaro, avalia: “Dentre as várias maneiras de se promover a educação ambiental, as imagens, os filmes, o cinema enfim tem, sem dúvida, um enorme impacto. Tocam, como tocou o documentário apresentado [A Crise Global da Água]”.

Produção norte americana de 2011, A Crise Global da Água esclarece o papel fundamental que a água desempenha em nossas vidas, expondo os defeitos do sistema atual e retratando as comunidades que já lutam com seus efeitos colaterais. Já o dinamarquês A Escala Humana, de 2012, se baseia nos estudos de Jan Gehl sobre o comportamento das pessoas na cidade para expôr exemplos e argumentar que podemos construir cidades modernas que levem em consideração necessidades humanas de inclusão e intimidade. Amazônia Desconhecida foi o filme brasileiro vencedor da Competição Latina da 3ª Mostra Ecofalante, e consiste num documentário sobre os conflitos na Amazônia brasileira de hoje.

A 4ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante correalização da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e SPCine, e é possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC), do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da Pepsico e da White Martins, apoio da Eaton, do Instituto Votorantim e do Heritage Comfort Inn, e apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Embaixada da França no Brasil, Institut Français, Instituto Akatu, Instituto Pólis, Rede Nossa São Paulo, Procam/USP, Le Monde Diplomatique Brasil, Instituto Envolverde, Rádio Eldorado/Estadão, Catraca Livre e Revista Piauí.

Advertisements