Ecofalante inicia os trabalhos de 2016 com formação de 90 professores

Semana pedagógica do Colégio Magno teve palestra, exibição e debate de filme

A Ecofalante começou o ano participando da Semana Pedagógica dos Professores do Colégio Magno, na cidade de São Paulo. O filme escolhido para exibição e debate foi “Trashed: Para Onde Vai o Nosso Lixo”, que aborda os riscos reais que os resíduos sólidos trazem à saúde humana e do planeta. Participaram da sessão e do debate cerca de 90 professores do Ensino Fundamental 2 e do Ensino Médio.

“O filme é bem impactante, normalmente mexe com as pessoas. Com a oficina, nós demos o caminho das pedras, e agora cabe aos professores abraçarem essa experiência e trabalharem com isso”, comenta Myriam Tricate, diretora do colégio Magno e do Programa de Escolas Associadas da Unesco no Brasil. Para ela, uma das principais vantagens de usar o cinema como ferramenta pedagógica é que ele permite a tão desejada integração entre professores de diversas disciplinas, inclusive as menos óbvias, como matemática, inglês e português: “O audiovisual é um meio interessante para dar nas aulas porque permite que o aluno assista, veja e partir dali discuta o assunto. São mil possibilidades de trabalhar a partir daquele ponto inicial, colocado como um problema que precisa ter solução da qual o aluno deve participar”.

A coordenadora pedagógica do Colégio Magno, Lígia Brull, destaca também o caráter interdisciplinar desse tipo de atividade. Ela conta que a escola já trabalha com temáticas ambientais, mas quer investir mais nisso, fazer com esteja presente no dia-a-dia dos alunos e professores, afinal, “é uma questão que toca a todas as pessoas como cidadãs do planeta”. Ela ressalta que o cinema, assim como teatro, internet e qualquer atividade proposta numa escola, deve ser bem pensada e preparada, especialmente tendo em vista que os alunos hoje fazem parte de uma geração multimídia.

“Quando eu lecionava, filme na sala de aula era uma grande novidade. Hoje não é mais, assim como também não é a única, já que temos muitas atividades ligadas à tecnologia. O que diferencia nesse caso da Mostra Ecofalante é o conteúdo apresentado, seu alto nível de qualidade. Pela seriedade desses documentários, da pesquisa científica que está sendo apresentada, esses filmes se tornam interessantes de serem discutidos”, explica a coordenadora.

IMG_7473-horz

Edson Grandisoli fala com 90 professores sobre o filme “Trashed”, educação e sustentabilidade

Além da exibição do Trashed, foi feita uma palestra sobre como inserir questões ambientais no planejamento pedagógico, conduzida por Edson Grandisoli, professor e consultor em educação e sustentabilidade. “O começo do ano, com esse momento de semanas pedagógicas, é interessante para abrirmos a cabeça para novos questionamentos, e começarmos um diálogo sobre novas práticas. Na palestra que eu dei, focada em educação e sustentabilidade, coloquei provocações e inquietações para gerar essa conversa e valorizar a troca de ideias”, conta. Os presentes aproveitaram o filme para focar na questão dos resíduos sólidos, como trabalhar isso em sala e no próprio funcionamento da escola. “O objetivo foi criar disposição e inspiração pra novas soluções”, completa Grandisoli.

A formação realizada no Colégio Magno abriu novos caminhos para que outras escolas e centenas de educadores da rede pública possam avançar na discussão do tema. A Ecofalante propôs ao Programa das Escolas Associadas à UNESCO uma parceria, na qual professores das instituições de ensino possam ter acesso também a esta formação. Afinal, o tema da sustentabilidade é um dos princípios sobre os quais as escolas associadas trabalham, em todo o mundo.

A atividade dá continuidade ao trabalho educativo que a Ecofalante consolidou em 2015, com o oferecimento de uma programação permanente para escolas. Ao longo do ano, foram promovidas sessões de cine-debate nos espaços de exibição das próprias escolas, nas bibliotecas São Paulo e do Parque Villa-Lobos ou no Museu da Imagem e do Som. Fora feitas sessões para alunos dos colégios Santa Cruz, Bandeirantes, Albert Sabin, Peretz, Centro Paula Souza, e diversas escolas estaduais. “Mais do que exibir filmes, a Mostra é na verdade uma plataforma de informação e conhecimento para, através do audiovisual, debater os desafios do mundo contemporâneo”, define Chico Guariba, diretor da Ecofalante.

Advertisements