Divulgada a seleção oficial do Concurso Curta Ecofalante

Novo programa competitivo terá sua estreia na 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

O Concurso Curta Ecofalante, voltado para produções audiovisuais universitárias de até 15 minutos, foi lançado ano passado e recebeu inscrições de mais de 20 instituições de ensino diferentes. Foram recebidos trabalhos da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), das universidades federais do Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Pernambuco, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), entre outras. Destas, foram selecionadas cinco produções, consideradas as melhores em qualidade técnica e relevância do tema.

As questões socioambientais abordadas falam de crise hídrica, do destino do lixo eletrônico, da necessidade de conservação de mata nativa para proteger nascentes de águas, da degradação da Baía de Guanabara e da vida de pessoas que trabalham ‘do outro lado da balsa’ de São Bernardo. Os curtas serão exibidos em salas de cinema durante a 5ª Mostra e concorrerão a dois prêmios: de júri (composto pela equipe de curadoria da Ecofalante) e de público.

“O Concurso Curta Ecofalante vem no sentido de estimular a produção. Foi interessante notar que os filmes já conversam com a proposta da Mostra Ecofalante de trazer atenção para temas urgentes e presentes na vida das pessoas, revelando uma preocupação crescente com as questões socioambientais”, avalia o diretor.

A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante, possível graças ao Programa de Apoio à Cultura (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da White Martins e da Reciclo Pepsico e correalização da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e pela Spcine. A Mostra tem apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Embaixada da França no Brasil, Institut Français, La Cinémathéque Française, Le Monde Diplomatique Brasil, Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo, Observatório do Clima, SOS Mata Atlântica, Greenpeace, Instituto Socioambiental (ISA), Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), Instituto Akatu, Instituto de Energia e Ambiente (IEE)/USP, Rede Nossa São Paulo, Instituto Envolverde, Catraca Livre, Rádio Eldorado e Heritage Comfort Inn.

Seleção oficial:

2000 E ÁGUA | Brasil, 2014, 3’22” | Direção, produção, roteiro e edição: Luiza Guerra, Guilherme Speranzini, Otavio Lino, Nicolas Gunkel, Carolina Santa Rosa, Frederico Gabre | Sinopse: 2000 E ÁGUA retrata o complexo ciclo da água em uma região violentamente urbanizada. Não o ciclo natural, que todos aprendem nas escolas, mas o ciclo social, que envolve desigualdade, poluição, consumo e desperdício. O nome faz referência ao colapso hídrico prenunciado para o estado de São Paulo nesse novo milênio. São milhões de pessoas que, ao contrário das autoridades do Estado, dificilmente imaginam as consequências do uso indevido da água. | Instituição: Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP)

Renascer | Brasil, 2015, 7’ | Direção, roteiro, fotografia e edição: Leandro Cordeiro | Elenco: Tiago Lara | Sinopse: No interior do Paraná, um grupo de jovens agricultores cria um projeto de proteção de nascentes de água, tornando uma ação simples em uma esperança no futuro da consciência da preservação ambiental. | Instituição: Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul)

Travessia, muita vida após a Balsa | Brasil, 2015, 14’ | Direção: Ana Paula Moreira | Roteiro: Gustavo Rugiano | Fotografia: Cássio Conde | Edição: Cássio Conde | Sinopse: Muito mais do que uma coletânea de depoimentos acerca de um meio de transporte peculiar em plena Grande São Paulo. São pessoas que ganham voz com suas diferentes opiniões. Travessia é composto por relatos e estórias de vidas que são atravessadas diariamente pela Balsa João Basso em São Bernardo do Campo – São Paulo. | Instituição: Centro de Audiovisual de São Bernardo Do Campo (CAV)

Triste Baía | Brasil, 2015, 13’| Direção: Gisele Motta | Roteiro: Gisele Motta | Fotografia: Felipe Kusnitzki, Karina de Abreu e Rodrigo Pinheiro | Edição: Gisele Motta e Rodrigo Pinheiro | Elenco: Sérgio Ricardo, Alex Santos, Mário Moscatelli e Maurcio Muniz | Sinopse: A Baía de Guanabara já passou por diversas medidas para despoluição que atravessam décadas. Por que, então, ela ainda está tão degradada? A resposta, para os interlocutores do curta, traz mais problemas. A exploração sustentável é cara e parece interessar a poucos. Mas ela ainda não se deu por vencida. A Baía manda dizer que quem luta não é triste. A Área de Proteção Ambiental traz fôlego às águas, assim como os pescadores tradicionais, o turismo consciente e aqueles que transformam sua vida em luta pelo meio ambiente. | Instituição: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Verde Chorume | Brasil, 2015, 12’ | Direção: Roberta Bonoldi | Roteiro: Roberta Bonoldi | Fotografia: Fernão Bracher e Raquel Fernandes |Edição: Raquel Fernandes e Roberta Bonoldi | Sinopse: Um dia que começa com o comércio numa rua popular e termina num aterro não muito longe dali. Vendedores, carroceiros, consumidores e garis são alguns dos agentes da epopeia que acontece entre o consumo e o descarte. | Instituição: Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP)

curtas

Em sequência: Renascer, 2000 e água, Travessia, Verde Chorume e Triste Baía

Advertisements